contato@comunicabc.com.br

24 de abril, 2024

Saiba como “dolarizar” seus investimentos

dolarizar investimentos

O termo “dolarizar” caiu de vez no dicionário dos investidores brasileiros. Por ser a moeda emitida pela maior economia do mundo — os Estados Unidos —, o dólar tem aceitação global e estabilidade a seu valor. Por isso, o interesse dos brasileiros no investimento em ativos no exterior cresce a cada ano.

Há diversas formas de investir em ativos dolarizados, incluindo casas de câmbio e corretoras que negociam ativos estrangeiros. E uma delas é através das criptomoedas, como BTC (Bitcoin) e ETH (Ethereum), que trazem muita praticidade para quem realmente deseja se tornar um investidor global.

Se você quer dolarizar seus ativos e não sabe quais formas utilizar, o texto de hoje aborda 3 maneiras de obter exposição à maior moeda do planeta. Confira cada uma delas:

Casas de câmbio

Esta é a forma mais direta de ter exposição a qualquer moeda estrangeira, seja ela física ou digital, já que se trata da sua compra. As casas de câmbio são lugares para a troca de reais por dólares ou euros.

Você pode fazer a compra de dinheiro em espécie ou então adquirir cartões de viagem. A operação é imediata, mas está sujeita ao horário comercial, o que limita compras nos finais de semana ou em feriados.

Além disso, a compra de moeda em espécie não é um “investimento”, pois o dólar e o euro também sofrem com a inflação. Por isso, esse método é mais indicado para quem precisa de dinheiro para viajar.

Ativos internacionais

Se você quer diversificar seu patrimônio em dólar e ainda obter valorização, possuir ativos internacionais é a melhor escolha. Esses ativos podem ser títulos de renda fixa, imóveis no exterior ou até mesmo ações.

A vantagem dessa modalidade é que o seu patrimônio não apenas estará denominado em dólar, mas também em ativos que pagam juros ou dividendos na moeda americana. Dessa forma, você também consegue obter valorização e renda passiva em moeda forte, além de proteger parte dos seus investimentos contra o risco Brasil e a desvalorização do real.

Hoje em dia, diversas corretoras brasileiras oferecem contas internacionais que permitem investir na bolsa de valores nos EUA sem sair do Brasil. A conversão de reais para dólares é fácil e possui taxas acessíveis, além da corretora oferecer todo o suporte em português.

Criptomoedas

As criptomoedas são uma forma inovadora e eficiente de investir no exterior. Diferentemente de outros ativos, uma criptomoeda não está ligada à jurisdição de um país ou governo. BTC, ETH e outras criptomoedas são livres e podem ser utilizadas 24 horas por dia, de qualquer parte do mundo, por meio de um celular.

Por outro lado, o preço internacional das criptomoedas é cotado em dólar, assim como a maioria dos ativos. Isso faz delas um veículo para realizar a dolarização de parte da sua carteira de investimentos.

Assim, quando você compra Bitcoin ou outra criptomoeda, parte do seu patrimônio está cotado em dólar. Se você quiser sair do país ou fazer uma viagem, pode levar suas criptomoedas e trocá-las em praticamente qualquer lugar do mundo por qualquer outra.

Porém, se você não quer lidar com a volatilidade do BTC, há uma outra forma de utilizar as criptomoedas para dolarizar sua carteira: as stablecoins. Elas são tokens que possuem seu valor atrelado a uma moeda nacional, como o dólar.

Como o nome já diz, as stablecoins são moedas estáveis cujo valor não muda com frequência ao longo do tempo. A USDT, por exemplo, é uma stablecoin de dólar, e seu valor unitário é igual a 1 dólar. E qualquer investidor pode adquirir criptomoedas ou stablecoins em uma exchange a qualquer momento, em questão de minutos e sem precisar depender do horário comercial.

Por isso, as criptomoedas são uma forma extremamente fácil, barata e segura de realizar aportes com o objetivo de dolarizar parte da carteira de investimento.

Tags:

Redação BB jovem

Redação BB jovem

O BB jovem é um portal que traz as principais artigos e noticias para te ajudar. Trazendo dicas e muito conteúdo de qualidade.

Está Gostando? Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos publicados​